O melhor lugar do mundo

No início desta nova semana,  estou ouvindo um lindo hino, que mostro aqui neste espaço:

“No mundo ainda existem belezas

que alegram a vida e nos fazem sonhar

recantos felizes da natureza

onde qualquer ser humano

gostaria de estar.

Mas de todos os lugares

o mais bonito e inspirador

é onde fico em oração

junto aos pés do Salvador.

O melhor lugar do mundo

é aos pés do Salvador.

É ali onde a esperança

traz alívio ao sofredor.

É ali onde eu me encontro

O melhor lugar do mundo

é aos pés do Salvador.”

Ouça a música em:http://www.youtube.com/watch?v=mEr_NKR2xpw&feature=related

Até que a morte nos separe

A propósito do “Dia dos Namorados”, vejam este ângulo da minha história ao lado do Claudio, meu marido. E desejo feliz Dia dos Namorados para todos os casais.

Lembrei ontem do que aconteceu após dois anos de namoro com o Claudio. Um dia, de um momento para o outro, ele me disse que estava doente, com uma das piores doenças conhecidas então. Naquela época, uma das piores doenças conhecidas era a tuberculose.(A outra doença muito temida era o câncer, cujo nome, naquela década de 1970, não era nem mesmo pronunciado, quando alguém o contraía.)O Claudio perdeu o pai muito cedo e teve de trabalhar para ajudar no sustento da família. Por um erro de cálculo, que só recentemente foi reconhecido pela justiça, a mãe, viúva, recebia uma pensão ínfima, embora o falecido esposo tivesse ocupado um posto intermediário na polícia militar do estado. Como era muito frio, e ele trabalhava numa empresa de ônibus, o jovem adquiriu uma gripe, e posteriormente pneumonia, o que facilitou a invasão do organismo pelo chamado bacilo de Koch.
Até hoje ele não gosta  de que se lembre essa ocasião, em que adoeceu por contágio de um companheiro de trabalho .
Eu tinha 20 anos, cursava os últimos anos da faculdade, namorava o Claudio desde 19, era meu primeiro namorado e estava pretendendo casar logo com ele e agora sabia desse problema de saúde. E, umas duas semanas depois de saber disso, tive outra notícia: ele estava hospitalizado e a única forma de tratamento era a cirurgia, pois o tratamento com remédios (que já começara há mais tempo) não estava tendo resposta. Contei em casa e a reação foi a pior possível – tuberculose mata, você quer ficar viúva logo após o casamento? Termine logo com esse namoro.
Evidentemente que não terminei o namoro, porque sou teimosa, e penso com meu próprio cérebro até hoje. Pelo contrário, ia visitar o Claudio no hospital, embora contra a posição de meus familiares, e  sérios problemas abalaram  minha vida de estudante tranquila. 
Enfim, ele passou 6 meses no hospital, trocando correspondência comigo (que meu cunhado que trabalhava no centro da cidade transportava), fez uma cirurgia em que retirou um segmento do pulmão, da qual hoje resta apenas uma pequena sequela, continuou trabalhando, aposentou-se há dez anos, por tempo de serviço, casamos no fim daquele ano em que esteve hospitalizado e hoje estamos próximos de 40 anos de casamento.
Mas durante esses quarenta anos, a exemplo do primeiro grande problema que tivemos, e que relatei aqui, houve outros, do mesmo gênero. Uns dez anos depois o Claudio  teve outra doença infecciosa e infelizmente deixou de ser admitido numa empresa pública, pois perdeu o prazo; depois passou por uma cirurgia de abdômen que devia ter durado meia hora e demorou  algumas horas (lembro-me de ter orado muito quando soube que a cirurgia programada inicialmente tinha sido alterada); mais uns dez anos e começou a ter problemas no coração (na época, eu, que sou muito intrometida – é um de meus defeitos e virtudes – pedi uma radiografia do tórax por conta própria, após uma falta de ar prolongada, que não cessou com o uso dos medicamentos recomendados e aí foi descoberta a causa das dificuldades respiratórias – uma doença cardíaca).
A última doença séria que o meu esposo sofreu até hoje- felizmente isso já faz mais de cinco anos – foi um câncer de pele num local que poderia ter atingido rapidamente o pulmão. Como sou bastante insistente também, além de intrometida, ele terminou indo ao médico antes que algum órgão interno fosse atingido e, graças a Deus, conseguiu um tratamento num hospital público ótimo, e perfeitamente a tempo.
Lembrei de tudo isso ontem porque tivemos, sexta-feira e sábado últimos, três palestras de uma psicóloga cristã conhecida nacionalmente, cujo nome não vou citar, pois não tenho permissão para isso. Ela falou sobre vários aspectos da convivência familiar, dirigiu-se primeiro aos jovens, depois a todos, depois em particular para os casais, mostrando as dificuldades que há na vida conjugal, devido às diferenças básicas entre o modo de pensar e agir de homem e mulher.
Por fim, contou a experiência de sua vida, em que teve um ótimo casamento -embora tenha enfrentado problemas gravíssimos – mas que foi interrompido pela morte do esposo. Uma das afirmações da palestrante na conclusão da série de palestras lembrava que a vida é na realidade frágil e curta e cabe a nós torná-la mais agradável para nosso cônjuge. E vice-versa. Por isso, prometemos amor até que a morte nos separe.  
Uma reflexão sobre isso pode nos levar a aproveitar melhor os momentos que temos em família, não só com o cônjuge mas também com nossos filhos e netos, enquanto convivendo conosco no lar.
Aprendi também ontem um versículo importante na Bíblia – a Palavra do Senhor a Moisés, prometendo guiar o povo em todas as dificuldades através do deserto: “Eis que eu envio um Anjo adiante de ti, para que te guarde pelo caminho e te leve ao lugar que tenho preparado.” (Êxodo 23:20)
Assim como o povo de Israel, estamos numa caminhada, e, com certeza, há dificuldades, mas a certeza que temos é que Deus proverá sua guia e cuidado também para atravessarmos o deserto – com suas pedras, areia e vento.

Vendo a Providência

Nós cristãos vemos os acontecimentos do dia-a-dia por um prisma especial – contemplando a guia e o cuidado de Deus em nossa vida. É assim que vejo o que aconteceu no último fim de semana. Meu filho tinha vindo ao DF para tomar algumas providências (depois conto essa outra história), tínhamos almoçado juntos num restaurante próximo da estrada que ele tomaria para retornar à cidade onde mora.
Ele estava com a esposa e o filhinho menor, de um ano, que ainda mama. Na saída do restaurante tinham comprado alguns pirulitos e bombons para darem às outras crianças maiores, que tinham ficado em casa com a vovó.
Resolveram então, logo no início do caminho, darem um pirulito para o Davi. Sabemos que não se devem dar balas e doces com consistência muito dura para crianças nessa idade, pois é perigoso. Tanto é perigoso que o menino teve um engasgo alguns minutos depois. E então, no meio da estrada, eles estavam com uma séria emergência – o Davi não conseguia respirar e os pais ficaram muito aflitos. Foi um sufoco – contaram depois.
Alguns anos atrás, o Alessandro, meu filho, tinha trabalhado numa escola de equitação e, como são comuns os acidentes nessa área, teve um curso de primeiros socorros. Depois, foi trabalhar na área operacional de uma empresa de logística, onde também recebeu o mesmo curso. Vejo aí a Providência Divina. O problema aconteceu, mas o pai do bebê tinha instruções sobre como proceder nessa situação. Como não pôde parar imediatamente o carro, orou mentalmente e passou à esposa a instrução sobre a manobra que deveria ser feita, que ela iniciou mas não obteve efeito. Então ele conseguiu parar o carro num local seguro e ele mesmo procedeu a manobra, fazendo com que o objeto que obstruía a respiração fosse expelido e o Davi voltasse a respirar.
O resto da viagem transcorreu normal.
Vejo aí duas lições: temos de ser previdentes no cuidado com as crianças, evitando locais e procedimentos que possam causar acidentes a elas. É indicado sempre que os pais leiam e se informem a respeito de como agir para evitar essas situações de risco para as crianças, principalmente para as pequenas, abaixo de três anos.
A outra lição é que, mesmo que nós erremos em alguma coisa, ou, por um acidente, nós ou nossos filhos sejamos envolvidos num perigo, nosso Deus pode nos livrar,  algumas vezes providenciando um agente para trazer o socorro necessário. No caso, o próprio pai do bebê, meu filho Alessandro, foi o agente que Deus usou para dar socorro ao Davi.
“O Senhor é o meu pastor: nada me faltará.
Ele me faz descansar em pastos verdes e me leva a águas tranquilas. (…)
Ainda que eu ande por um vale escuro como a morte, não terei medo de nada.
Pois tu, ó Senhor Deus, estás comigo;
tu me proteges e me diriges.” (Salmo 23:1 e 4)