Épocas diferentes, flores diferentes

Ainda estamos no inverno, mas, olhando estas flores, lembrei da primavera, que vai chegar.
E lembrei dos diferentes jardins que já tive.

Quando morava num bairro chamado Guará, tinha um jardim mesmo, com rosas, hortênsias e margaridas.
Gosto muito de margaridas. Eu cuidava do jardim, capinando a terra e tirando as ervas daninhas. Nessa época meus filhos eram crianças.

Na chácara, aonde ia aos fins de semana, tinha outras plantas, e na porta de casa havia flores silvestres amarelas.
Depois mudei por quatorze anos para uma chácara e lá havia azaleias floridas perto da janela de um dos quartos. 

Nova mudança e cheguei à pequena área onde cultivava miniazaleias. Tinha também um vaso com flores silvestres para dar boas-vindas na entrada da casa.

Agora estou vendo dois vasinhos com kananxuê aqui na minha sala, mas cuido deles com o mesmo carinho com que cuidava das rosas, das margaridas, das azaleias e miniazaleias.
Há flores próprias de cada estação,  de cada lugar em que moramos, de cada fase de nossa vida. Há flores nas brincadeiras com nossos irmãozinhos e colegas na infância. (E brincávamos mesmo com buquês de flores de laranjeira.) Há flores nos romances de amor, há flores nos jardins de que cuidamos.
Flores são alegrias, são bênçãos, são carinhos. 
Há flores que recebemos, há aquelas que ofertamos, há aquelas que deixamos de ofertar.
Que recebamos muitas flores, que presenteemos outras pessoas com flores, que reconheçamos as bênçãos que recebemos de Deus.
   

 

    
   

“Aparecem as flores na terra, chegou o tempo de cantarem as aves, e a voz da rola ouve-se em nossa terra.” Cantares 2:12

O melhor lugar do mundo

No início desta nova semana,  estou ouvindo um lindo hino, que mostro aqui neste espaço:

“No mundo ainda existem belezas

que alegram a vida e nos fazem sonhar

recantos felizes da natureza

onde qualquer ser humano

gostaria de estar.

Mas de todos os lugares

o mais bonito e inspirador

é onde fico em oração

junto aos pés do Salvador.

O melhor lugar do mundo

é aos pés do Salvador.

É ali onde a esperança

traz alívio ao sofredor.

É ali onde eu me encontro

O melhor lugar do mundo

é aos pés do Salvador.”

Ouça a música em:http://www.youtube.com/watch?v=mEr_NKR2xpw&feature=related

Vendo a Providência

Nós cristãos vemos os acontecimentos do dia-a-dia por um prisma especial – contemplando a guia e o cuidado de Deus em nossa vida. É assim que vejo o que aconteceu no último fim de semana. Meu filho tinha vindo ao DF para tomar algumas providências (depois conto essa outra história), tínhamos almoçado juntos num restaurante próximo da estrada que ele tomaria para retornar à cidade onde mora.
Ele estava com a esposa e o filhinho menor, de um ano, que ainda mama. Na saída do restaurante tinham comprado alguns pirulitos e bombons para darem às outras crianças maiores, que tinham ficado em casa com a vovó.
Resolveram então, logo no início do caminho, darem um pirulito para o Davi. Sabemos que não se devem dar balas e doces com consistência muito dura para crianças nessa idade, pois é perigoso. Tanto é perigoso que o menino teve um engasgo alguns minutos depois. E então, no meio da estrada, eles estavam com uma séria emergência – o Davi não conseguia respirar e os pais ficaram muito aflitos. Foi um sufoco – contaram depois.
Alguns anos atrás, o Alessandro, meu filho, tinha trabalhado numa escola de equitação e, como são comuns os acidentes nessa área, teve um curso de primeiros socorros. Depois, foi trabalhar na área operacional de uma empresa de logística, onde também recebeu o mesmo curso. Vejo aí a Providência Divina. O problema aconteceu, mas o pai do bebê tinha instruções sobre como proceder nessa situação. Como não pôde parar imediatamente o carro, orou mentalmente e passou à esposa a instrução sobre a manobra que deveria ser feita, que ela iniciou mas não obteve efeito. Então ele conseguiu parar o carro num local seguro e ele mesmo procedeu a manobra, fazendo com que o objeto que obstruía a respiração fosse expelido e o Davi voltasse a respirar.
O resto da viagem transcorreu normal.
Vejo aí duas lições: temos de ser previdentes no cuidado com as crianças, evitando locais e procedimentos que possam causar acidentes a elas. É indicado sempre que os pais leiam e se informem a respeito de como agir para evitar essas situações de risco para as crianças, principalmente para as pequenas, abaixo de três anos.
A outra lição é que, mesmo que nós erremos em alguma coisa, ou, por um acidente, nós ou nossos filhos sejamos envolvidos num perigo, nosso Deus pode nos livrar,  algumas vezes providenciando um agente para trazer o socorro necessário. No caso, o próprio pai do bebê, meu filho Alessandro, foi o agente que Deus usou para dar socorro ao Davi.
“O Senhor é o meu pastor: nada me faltará.
Ele me faz descansar em pastos verdes e me leva a águas tranquilas. (…)
Ainda que eu ande por um vale escuro como a morte, não terei medo de nada.
Pois tu, ó Senhor Deus, estás comigo;
tu me proteges e me diriges.” (Salmo 23:1 e 4)

Um hino para meditar

Inspirada na leitura de artigos de alguns blogs cristãos, lembrei do exemplo de Cristo – uma vida pelo próximo e estou postando para vocês este belo hino:
“(…)
Muitos da vida cansados estão
Sim, ajuda hoje alguém.
Muitos procuram obter salvação
Sim, ajuda hoje alguém.Sim, ajuda hoje alguém.
Demonstra-lhe amor também.
Remove o temor e promove o amor.
Ó sim, ajuda hoje alguém.”
(do Hinário Adventista)

Hoje ajuda alguém

Porque Ele vive

 
O hino predileto da Priscila Gabriela, que cuidou do Lucas Felipe durante um período quando ele era criança (o tempo passou e, após o ensino médio, Priscila é atendente numa clínica médica), era “Porque Ele vive”, de William e Glória Gaither, que nos diz:
“Deus enviou Seu Filho amado/Para sofrer em meu lugar;/Na cruz morreu mas vivo agora está,/Pois ressurgiu e para sempre viverá./Porque Ele vive, posso crer no amanhã;/Porque Ele vive, temor não há./Eu sei que minha vida não será mais vã,/Pois meu futuro em Suas mãos agora está.”
Cantando o hino, agora estamos alegres, porque Cristo morreu e ressuscitou, mas foi muito difícil para os discípulos que haviam também cantado um hino com Jesus após a refeição da Páscoa na mesma semana, verem o Mestre ser sepultado depois de sofrer uma morte vergonhosa na cruz.  Embora Ele houvesse profetizado que os deixaria e ressuscitaria, eles não podiam entender ainda porque a morte havia acontecido e ainda não acreditavam na ressurreição. Para eles era o fim de tudo que tinham sonhado.
Entretanto, no domingo seguinte,  as mulheres que foram cedo para ungir o Senhor morto, após descansarem no sábado,  encontraram a tumba vazia e ouviram a mensagem do anjo: “… buscais a Jesus, o Nazareno, que foi crucificado; ele ressuscitou, não está mais aqui; vede o lugar onde o tinham posto.” (Marcos 16:6)
Demorou algum tempo até que todos os discípulos recebessem a mensagem da ressurreição e acreditassem nela, mas foram esses onze discípulos e os demais seguidores que abraçaram essa verdade e, mesmo sob perseguição severa, levaram a notícia ao mundo que hoje comemora a Páscoa praticamente em todos os lugares.
É a tristeza transformada em alegria. Cristo morreu para salvar o homem do pecado. Cristo ressurgiu, porque triunfou sobre a morte e por isso podemos ser vitoriosos com Ele e ter esperança no futuro.
Na manhã da ressurreição as mulheres se admiraram, depois se alegraram  e levaram a notícia, com júbilo que se multiplicou .
Hoje, o acontecimento será relembrado de muitas formas, e também na minha igreja isso acontecerá. Este dia, no meu entender,  deve ser de alegria, de celebração da vitória de Cristo, que também pode nos dar a vitória de que precisamos em nossa vida, que pode nos dar a esperança de estar sempre com Ele agora e no futuro. 
E ouçam o belo hino “Porque Ele vive”. Priscila, você também está convidada para a encenação desta sexta-feira à noite.
 
Porque Ele vive

“para tanto ontem”

No ano passado, ingressei numa comunidade da internet de ex-alunos do Instituto de Educação em Porto Alegre. Estudei nessa escola entre o 3º ano fundamental e a 4ª série do antigo ginásio, que equivale agora à 8ª série.
Logo em seguida, fui achada por uma antiga colega e lembrei imediatamente dela – a Anamaria, que na época usava cabelos compridos e era muito animada. Continua sendo animada, embora tenha cortado os cabelos. Mudou de Porto Alegre e agora mora em Joinville.
Todos os dias ela me manda lindas mensagens de otimismo, frases de escritores geralmente.
Hoje ela me mandou esta: “Haja hoje para tanto ontem.” A frase é de Leminski.
E eu respondi “Que o hoje seja melhor e que bom que acreditamos num amanhã.”
Quando acontecem tragédias como essa que tão violentamente trouxe morte num lugar em que toda a sociedade espera segurança, alegria, construção de um futuro – a escola – todos nós lamentamos e esperamos que o mundo seja melhor.
Nós, como cristãos, acreditamos que a falta de amor e as mentes doentias são doenças que afligem nosso mundo, como profetizou Jesus que a iniquidade se multiplicará e que “o amor se esfriará de quase todos”.
Mas que bom que, como cristãos, também acreditamos num mundo renovado, como diz o apóstolo João no Apocalipse: “Vi novo céu e nova terra, pois o primeiro céu e a primeira terra passaram.”
Que a esperança não nos abandone e nos faça fortes o suficiente para amar nosso próximo agora e acreditar num futuro melhor amanhã.

Colhendo bênçãos

Nem notei, mas já estamos em março de 2011 e  aproveito para contar que leciono há alguns anos e estava esperando me aposentar no próximo ano. Em fevereiro, resolvi ir à sede da secretaria de educação para ter uma ideia exata de quando completaria o tempo exigido.
Na recepção me indicaram a sala onde deveria me informar. Chegando lá, em alguns minutos fiquei sabendo que já poderia ter-me aposentado em juho do ano passado. É que eu não estava a par das normas para aposentadoria no serviço público.
E, mesmo sabendo das normas, ainda não pedi a aposentadoria.
Estou pensando hoje nas bênçãos que deixamos de colher porque não conhecemos as palavras de Jesus, ou nos esquecemos delas: “Pedi e recebereis, batei e abrir-se-vos-á.” E ainda quantas bênçãos deixamos de viver e agradecer porque não as reconhecemos.
O Mestre nos oferece grande fonte de poder – o poder do Senhor – através da oração. Se tão somente orarmos, Ele promete abrir as janelas do céu e derramar sobre nós bênção sem medida. Bênçãos para colhermos e agradecermos.
Estou escolhendo a época mais indicada para pedir a aposentadoria, mas já aviso que não vou me aposentar do blog. Um abraço a todos.

Entradas Mais Antigas Anteriores